Tecpar estuda ações sustentáveis para a cadeia produtiva do bambu

O Tecpar estuda a possibilidade de criar um programa estadual para o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do bambu no Paraná. A proposta foi discutida na última quinta-feira (21), durante reunião realizada no campus CIC, com a presença de técnicos do instituto, representantes de órgãos estaduais, organizações da sociedade civil e diretoria da Câmara do Comércio e Indústria Brasil-Japão do Paraná (CCIBJ).

O grupo conversou sobre a importância estratégica do bambu, como uma planta geradora de benefícios nas áreas econômica, social e ambiental. Também foi analisado um estudo que incentiva o plantio, utilização e desenvolvimento do bambu gigante no Brasil, em escala.

“A necessidade da criação de um plano de governo nesta área é fundamental para o desenvolvimento de tecnologia e agregarmos valor tecnológico aos diversos usos desta matéria prima”, disse o gerente do Centro de Tecnologia de Materiais, Marco Netzel.

O pesquisador destacou que o Tecpar pode contribuir no desenvolvimento de metodologia científica, criação de parâmetros e indicação de ensaios de controle de qualidade para avaliação de diferentes formas de beneficiamento dos materiais obtidos do bambu.

Entre as possibilidades de uso estão: madeira constituída e mobiliário; carvão para geração de energia; dessalinização de água; extração de etanol e fibra de carbono nanotubo.

Iniciativas

O Paraná já conta com iniciativas bem-sucedidas voltadas para uso do bambu em três cidades do interior, além de um projeto para implantação de cortinas vegetais, que tem a adesão de 14 municípios e a participação do Ministério Público.

Nestes locais o bambu é considerado uma alternativa para refrear a deriva de agrotóxicos em áreas que se encontram em posição de transição entre espaços rurais e urbanos (periurbanas). A deriva ocorre quando o agrotóxico é desviado para fora da área do cultivo que se pretende atingir.

O uso sustentável do bambu favorece o alcance de várias metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS), relacionados à Agenda 2030.

Proposta

Para dar andamento à proposta, o Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cedes) e a Emater farão uma apresentação técnica à equipe do Governo do Estado sobre as potencialidades do bambu. O estudo dará subsídios para que seja definida a pertinência ou não de um programa estadual para o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do bambu no Paraná.

A perspectiva de parcerias internacionais envolvendo China e Japão, também foi analisada. “Estes contatos podem ser feitos em uma fase avançada do projeto. A princípio, precisamos fomentar iniciativas simples e de pequeno porte”, disse Netzel.

Presenças

Participaram da reunião os analistas de Desenvolvimento Tecnológico do Tecpar, Luciana Barreto Adad e Wellington Vechiatto; o presidente CCIBJ, Yoshiaki Oshiro e seu assessor, Osmar Kano; os conselheiros do Cedes, Keli Cristina Guimarães e Filipe Braga Farhat; o assessor da Secretaria do Planejamento e Coordenação Geral (Sepl), Antônio Guilherme Lorenzi, e os extensionistas da Emater, Julio Carlos Bittencourt Veiga Silva e Laís Gomes Adamuchio de Oliveira.

A sociedade civil foi representada por Rafael Balestieri, diretor da World Adventure Society (WAS), por João Luiz Veiga, da Takuatec Florestal. Como convidado especial, esteve presente o arquiteto e permacultor Guillermo Gayo, representando a EcoAldeia Takuara Rendá, localizada no Paraguai.

This entry was posted in . Bookmark the permalink.

Compartilhe: Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this pageEmail this to someone

Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar)

Empresa pública criada em 1940 e vinculada à Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, o Tecpar atua em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação.



Instituto de Tecnologia do Paraná tecpar 2017 todos os direitos reservados