Governo do Paraná

Tecpar terá micro-turbina para geração de energia eólica

Um aerogerador, para produzir energia a partir do aproveitamento do vento, vai ser instalado no Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). O aparelho foi cedido ao instituto pela Embaixada da Itália no Brasil, fazendo parte de um programa de autossustentabilidade chamado Embaixada Verde, que permite a auto produção de energia elétrica.

Para comportar o desenvolvimento do projeto, foi criada a rede GESENet (Green Embassy Smart Energy Network), atuando como um segundo laboratório na aplicação e análise das tecnologias de produção de energia por fontes renováveis e à qual o Tecpar se integrou ao firmar um protocolo de intenções com a Embaixada da Itália e com aval da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) - que também assina o documento.

Foram enviados ao Brasil seis aerogeradores, construídos pela empresa italiana Ecomacchine. Cinco deles já foram instalados na embaixada italiana, em Brasília, e a sexta turbina eólica é essa que vai entrar em funcionamento no campus do Tecpar, na Cidade Industrial de Curitiba. A partir de montado e testado, o aerogerador vai começar a gerar energia para o próprio Tecpar. No futuro, uma pequena fração de toda a energia consumida pelo conjunto de prédios do instituto virá de fontes alternativas. Além do aerogerador, estão sendo adquiridos também painéis solares com mesmo propósito. Serão três instalações de geração de energia solar de tecnologias diferentes entre si, que já estão sendo embarcados nos Estados Unidos.

Essas fontes de energia vão integrar a Plataforma Tecnológica, que está sendo implantada no Tecpar. “A Plataforma é um espaço de experimentação e demonstração de tecnologia e geração distribuída. Aquele tipo de geração que no futuro poderemos ter em nossa casa. Hoje simplesmente adquirimos e consumimos. Imagina-se que no futuro torne-se vantajoso ao consumidor ter geração própria. Que continue conectado à rede oficial, mas com parte energia gerada por ele mesmo. E isso será viável quando o custo for acessível” – explica Celso Fabrício de Melo, engenheiro eletricista e consultor responsável pela Plataforma Tecnológica.

Smart Energy

A Plataforma Tecnológica é um projeto inserido no Programa Smart Energy Paraná e envolve experimentação e demonstração de várias tecnologias de geração distribuída de energia.

Smart Energy Paraná é um programa do Governo do Estado do Paraná que objetiva colocar o Estado, estrategicamente, em um período de dez anos, em posição competitiva mundial com relação à geração distribuída renovável interconectada a redes inteligentes. O programa promove os ativos paranaenses para a obtenção de recursos e competências e ordena objetivos de projetos institucionais e multi-institucionais, de forma a que, coordenados, contribuam pela soma e troca de suas experiências e resultados.

A governança do novo programa terá o suporte de uma Secretaria Executiva (Bureau), função para a qual foi designado o Tecpar, através da Plataforma Tecnológica, para redes inteligentes e geração distribuída de energias renováveis, visando, entre outras metas, a experimentação tecnológica e a homologação/certificação de produtos e processos.

Projeto Embaixada Verde

O projeto Embaixada Verde teve início em 2010, com a instalação de 405 painéis fotovoltaicos pelo grupo Enel Green Power na Embaixada da Itália no Brasil, em Brasília. A auto produção de energia elétrica permitiu, em vias inovadoras e experimentais para o Brasil, a troca de energia com a Central Energética de Brasília (CEB), monitorada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Na segunda fase foram assinadas as parcerias com a CEB e a Universidade de Brasília, que permitiram o desenvolvimento da coleta de dados e a avaliação do projeto. As informações contribuíram para a promulgação, por parte da ANEEL, da normativa 482, de 17 de abril de 2012, permitindo assim aos usuários brasileiros a possibilidade de realização do intercâmbio energético com a rede, dando a possibilidade que se tornem pequenos produtores de energia.

Nesta etapa atual, na qual se inclui o Tecpar, pretende-se de um lado ampliar a produção, estendo-a ao setor eólico, do outro dar início à fase de pesquisa e divulgação das informações. Para alcançar este objetivo, a Universidade de Brasília, a Embaixada da Itália, a Central Energética de Brasília e o Politécnico de Turim criaram a rede GESENet, network nacional e internacional, que foi lançada no último mês de dezembro.